CAIXA E DISPONIBILIDADES – O QUE É?

Tempo de leitura: 4 minutos

Quando você tem um dinheirinho sobrando no final do mês e você decide poupar esta quantia, onde você a coloca?

Os mais arrojados colocam em ações, CDBs, LCIs e outros investimentos. Os mais moderados em alguns títulos públicos, os mais conservadores deixam na própria poupança e os mais antigos embaixo do colchão.

Independentemente de onde este dinheiro ficará em uma empresa ele deve ser registrado contabilmente de forma correta para que o administrador seja capazes de traçar as estratégias e planos empresariais para a empresa continuar a crescer.

Mas você saberia me dizer como e onde são registrados os valores monetários que a empresa possui disponível? Para resolver essa questão de uma vez, vamos ao tema do artigo!

Caixa, dinheiro, investimentos e outros mais.

Este item contábil presente no Balanço Patrimonial, mais especificamente no Ativo Circulante, representa os valores contabilizados onde são alocados os montantes financeiros disponíveis à empresa no curto ou curtíssimo prazo.




 

O termo caixa é um dos mais diversos nomes que esta conta possui, podendo ser encontrados as terminologias usuais como:

– Equivalentes de caixa

– Bancos conta movimento

– Disponibilidades

Independente de seu nome, todos os termos remetem à mesma coisa: o dinheiro que a empresa tem disponível para utilizar a qualquer momento que precisar.

Você se lembra no artigo sobre Balanço Patrimonial em que dissemos que a classificação das contas no Ativo se dá pela liquidez de seus valores, ou seja, pela capacidade de determinado bem se tornar dinheiro? Recordando um pouco, entendemos que quanto mais líquido for determinado bem, mais rápido eu transformo ele em dinheiro para poder utilizar.

Sendo assim, a conta “Caixa” é justamente a primeira conta que encontraremos na grande maioria dos balanços das empresas, uma vez que ela já é dinheiro e, portanto tem 100% de liquidez (em alguns casos como o dinheiro está em uma conta bancária existe o prazo bancário de transferência de valores, como nos casos do DOC, onde a transferência pode ser realizada no prazo de um dia útil).

34 - caixa

Na imagem acima, a conta mais “líquida” é o caixa.

E as aplicações financeiras (de curto prazo)?

Quando você deixa seu dinheiro parado na conta corrente de seu banco, seu dinheiro não está rendendo nada, ou seja, você está perdendo dinheiro devido a inflação que corrói seu poder de compra.

Com uma empresa ocorre o mesmo, se ela deixar muito dinheiro parado sem utilidade ela pode estar na verdade perdendo ele. Qual seria então uma solução possível para minimizar essa perda e quem sabe ainda lucrar algum percentual?

A resposta é… investindo seu dinheiro!

As empresas podem alocar suas disponibilidades em investimentos de curto prazo (até três meses para resgatar) ou curtíssimo prazo (liquidez imediata) com o objetivo de rentabilizar seu montante disponível.

Apesar de recomendado, deve-se ter muito cuidado ao aplicar em alguns tipos de investimentos, sendo que estes podem sofrer perdas, como no caso das ações de companhias de capital aberto que sofrem as variações diárias em suas cotações na Bovespa.

Livro caixa.

Nas empresas a contabilização dos movimentos de entrada e saída de recursos no caixa é realizada pelo contador, porém administrado pelo tesoureiro da empresa.

O controle do que há disponível para uso bem como a administração dos investimentos realizados pela empresa são feitos de tal forma que a empresa possa tocar suas atividades de forma saudável e contínua, sem ter de recorrer de dinheiro de terceiros, como bancos e investidores, sendo que estes geralmente são de maior custo para a empresa.

As movimentações ocorridas ao longo de determinado período no caixa são registradas, ou melhor dizendo, escrituradas em um documento conhecido como “Livro Caixa”.

Apesar de não ser obrigatório, muitas empresas realizam o controle de sua tesouraria através dos registros do Livro Caixa, onde ficam anotados as entradas de recursos e as saídas destes.

Nele deve ser respeitado metodicamente o registro através da indicação do dia, mês e ano da movimentação, além do valor da operação. Seu preenchimento fica a critério do contador, porém deve ser parecido com o exemplo abaixo:

34 - caixa (livro caixa)

Para um melhor controle, as NFs (Notas Fiscal) devem ser armazenadas e mantidas em poder da empresa, caso haja a necessidade de comprovação posterior dos lançamentos de entrada e saída

Se gostou não deixe de compartilhar!!

Até a próxima!

Deixe uma resposta