ALAVANCAGEM – O QUE É? PARA QUE SERVE?

Tempo de leitura: 4 minutos

Às vezes, uma empresa está em pleno crescimento! Estoques em alta, vendas em expansão, nova abertura de lojas, clientes querendo cada vez mais os produtos e lucro em todos os períodos, mesmo que com uma margem pequena.

Eis que após um tempo, em um determinado mês a empresa ainda quer continuar crescendo, mas existe um grande impeditivo para isso: acabou o dinheiro!

Quando uma empresa inicia suas atividades ela começa com um capital inicial, que é o dinheiro dos sócios e acionistas da empresa. Esse tipo de capital é conhecido como capital próprio, pois como seu nome já diz ele é da própria empresa.

(Cuidado ao utilizar o termo capital próprio uma vez que ele pode causar confusão. O capital que o sócio aporta na empresa e que fica alocado no Patrimônio Líquido é a partir dai o capital da empresa e não mais dos sócios. Ambos os capitais devem estar claramente separados e não devem se misturar, conforme as melhores práticas contábeis descritas aqui).

Entretanto, na maioria das vezes esse capital inicial é limitado e escasso, uma vez que os sócios fazem um aporte esperando que a empresa gere receita a fim de pagar suas contas através do entra e sai de recursos no sistema de fluxo de caixa.

E o que fazer quando precisamos de mais dinheiro, mas não temos como conseguir esse valor com os acionistas?

A empresa pode recorrer ao capital de terceiros. Sendo assim, a empresa passa a utilizar dinheiro emprestado de outras fontes, sejam elas bancos ou investidores, para conseguir tocar suas atividades normalmente.

Para entender como funciona a utilização do capital de terceiros para gerar lucro vamos ao artigo de hoje!

 




Alavancagem, lucro com o dinheiro dos outros.

Agora que você já sabe a diferença entre capital de terceiros e capital próprio, vamos explicar como uma empresa se alavanca financeira e operacionalmente através da tomada de recursos com bancos e investidores.

Antes disso, vamos entender o que é alavancagem propriamente dita. Consultando o dicionário temos a seguinte descrição: “Alavancagem é o ato de tomar recursos com terceiros a fim de multiplicar as operações financeiras e/ou operacionais”.

Sendo assim, temos que quando uma empresa está se alavancando ela está multiplicando a sua capacidade de realizar alguma atividade que antes não poderia, se utilizando somente de capital próprio.

Ela permite que através da tomada de recursos com terceiros, aonde há o custo fixo de pagamento de juros e taxas, a empresa possa multiplicar suas disponibilidades (dinheiro disponível) para expandir atividades e aumentar o lucro.

Mas que disponibilidades são essas?

É possível a uma empresa realizar basicamente dois tipos de alavancagem:

a) Alavancagem Operacional:

Ocorre quando a empresa realiza um aumento em suas vendas por diversos meios como aumento de estoque, expansão de lojas, aquisições ou aumento de produção.

b) Alavancagem Financeira:

Aumento do endividamento total da empresa para gerar maior margem de lucro.

A soma das alavancagens operacionais mais financeiras é conhecida como Alavancagem Total.




Alavancar-se ou não. Eis a questão

Alavancar a atividade de uma empresa parece algo tentador! Imagine aumentar vendas e lucro sem precisar colocar 1 real sequer do seu próprio bolso, mas calma! Assim como tudo na vida, alavancagem também tem seu lado negativo: o custo da operação.

Na alavancagem operacional através da expansão de ativos, esta gera custos fixos, os quais devem ser superados na operação da empresa. Já na alavancagem financeira, ao tomar recursos com terceiros a empresa deve ter em mente que esse recurso terá um custo. No caso de recursos financeiros esse custo será o pagamento de juros, igual quando você vai ao banco e toma dinheiro emprestado.

Com uma empresa ocorre o mesmo. Ela pega uma quantidade X de dinheiro e terá de devolver X + Y, sendo y o valor de juros que a empresa terá de pagar ao devolver esse empréstimo. Então caso a empresa tome 100 mil reais a 10% de juros ao ano, no final desse período ela deverá devolver 110 mil reais (10% de 100 mil = 10 mil).

Sendo assim, para que a alavancagem seja válida os administradores da empresa devem certificar-se de que o retorno percentual do investimento realizado será maior (ou pelo menos igual) ao custo do empréstimo, caso contrário a empresa estará perdendo dinheiro na operação.

Imagine um custo de recursos de terceiros que custe os mesmo 10% ao ano e que será aplicado em um projeto que a estimativa de retorno seja de apenas 5%. É óbvio que essa conta não fecha…

Então é isso! Agora que você sabe o que é e como funciona a alavancagem, você pode aplicar estes conceitos na sua empresa!

Aproveite para conferir a nossa planilha de Fluxo de Caixa e descubra se a sua empresa está alavancada:

Se gostou compartilhe com seus amigos!

Até a próxima!

Deixe uma resposta